Apoio Contato Promoções Matérias Especiais Programação A Rádio Home


Metallica: há chance de shows não acontecerem nas datas remarcadas

Postado em abril 29th, 2020 @ 18:53 | 48 views

Share |

O baterista Lars Ulrich fez um prognóstico das atividades do Metallica para 2020 e 2021 em um bate-papo online com a empresa americana de softwares Salesforce, transmitido pelo Facebook e transcrito pelo Blabbermouth. O músico reconheceu que existe uma chance de os shows da banda em um futuro próximo não acontecerem nas datas marcadas. Vale lembrar que o grupo tem quatro apresentações no Brasil para dezembro deste ano – seriam em abril, mas foram reagendadas para o fim de 2020.

Inicialmente, Ulrich comentou que os integrantes do Metallica estão conversando sobre o futuro há pelo menos um mês, sempre por transmissão online, pelo aplicativo Zoom. “Estamos em quatro localizações diferentes, em quatro estados diferentes. Falamos sobre como seguir em frente. Como serão os próximos meses? Como será o restante do ano? E como será a próxima década em termos de criar, compor música, gravar, compartilhar música e todas as incertezas”, disse.

Em seguida, o baterista revelou que o Metallica tinha planos já definidos não só para os próximos meses, como, também, para os anos seguintes – até que a pandemia aconteceu. “Eu posso contar para você como meu ano de 2021 seria. Planejamos anos para frente. E tudo isso é uma grande lição para todos aqueles que gostam de estar no topo e controlando todo elemento de nossa existência até que, de repente, estamos aqui sem saber como serão nossos próximos meses”, afirmou.

Lars citou diretamente o Brasil, mencionando as datas remarcadas no país, além de outros locais, e destacou que há incerteza até mesmo com relação a essas apresentações futuras. “Era para eu estar no Brasil nesta semana, fazendo shows na América Latina. Foram adiados para o outono (primavera, no Hemisfério Sul). Faríamos festivais na América do Norte em maio. Alguns foram adiados, outros foram cancelados. Não sei como serão as datas remarcadas. Espero, claro, que possamos tocar e juntar pessoas pela música, mas sabemos que há uma chance significativa de nenhuma dessas datas acontecer, pois juntar milhares de pessoas em shows talvez não seja a ideia de saúde e segurança para todos em 2020″, disse.

Ulrich pontuou que tudo isso volta para o fato de que o Metallica não sabe como serão seus próximos 6 meses, ou seu próximo ano. “Precisamos nos render ao momento. Há uma chance de estarmos juntos em nosso estúdio no norte da Califórnia, daqui um ou dois meses, caso as regras de quarentena fiquem mais leves. Agora que todos nós temos sucos criativos fluindo nas veias, estamos sendo desafiados a ser criativos em novas formas. Acho que são exemplos maravilhosos de alternativas que podem aparecer da devastação que acontece no mundo todo”, afirmou.

No fim do último mês de março, a Live Nation Brasil anunciou que a turnê do Metallica pelo Brasil, agendada inicialmente para abril, seria adiada para dezembro. As atrações de abertura foram mantidas: Greta Van Fleet como convidado especial, em todo o continente, e Ego Kill Talent, especificamente em nosso país.

As apresentações foram reagendadas para os dias 14, 16, 18 e 20 de dezembro, respectivamente nas cidades de Porto Alegre, Curitiba, São Paulo e Belo Horizonte. Na capital gaúcha, por conta da indefinição do calendário esportivo nos estádios, em um esforço para manter a cidade na turnê, a produtora moveu o local de realização para o estacionamento da Fiergs.

Veja, abaixo, as datas remarcadas do Metallica no Brasil:

- Segunda-feira, dia 14 de dezembro – Porto Alegre, Brasil – Estacionamento da Fiergs;
- Quarta-feira, dia 16 de dezembro – Curitiba, Brasil – Estádio Couto Pereira;
- Sexta-feira, dia 18 de dezembro – São Paulo, Brasil – Estádio do Morumbi;
- Domingo, dia 20 de dezembro – Belo Horizonte, Brasil – Estádio do Mineirão.

Durante a mesma entrevista, Lars Ulrich comentou que existe uma chance de sair um novo álbum de estúdio em meio à quarentena. O último disco da banda, “Hardwired… To Self-Destruct”, saiu em 2016.

“No mundo todo, não só na música, há conversas sobre criação. Como fazer discos? Como fazer entretenimento filmado? Como fazer arte? Como compartilhar isso? Mesmo que você consiga fazer, as pessoas que fazem todo o software e as coisas que usamos para gravar estão tentando descobrir como podemos fazer um álbum estando em locais diferentes. Estamos empolgados com isso”, afirmou, de início.

Em seguida, o baterista disse que, nas reuniões online, o Metallica conversa sobre “como virar uma banda de novo”. “Há muitas fases diferentes em estar em uma banda. A mais básica aconteceu há 37 anos, com quatro caras tocando juntos. Isso acabou sendo compartilhado para o mundo todo e conectado a milhões de pessoas, o que aconteceu bem depois. Mas no início, são quatro caras juntos em uma sala, ou conectados pelo Zoom, compondo. Nós estamos empolgados com o que isso pode parecer. Teremos um disco do Metallica na quarentena? Não dá para dizer, pois não sei quanto tempo vai durar. Mas se ficarmos aqui pelos próximos 6 meses, há uma grande chance”, disse.

Deixe seu comentário


Os comentários são postados usando logins do FACEBOOK, HOTMAIL, AOL ou YAHOO