Apoio Contato Promoções Matérias Especiais Programação A Rádio Home
  • Confira a versão 'Super Deluxe' de 40 anos do álbum "Creatures Of The Night" do Kiss aqui na SHOCK BOX!

Steve Vai: anuncia o álbum “Vai/Gash”, gravado em 1991

novembro 14th, 2022 admin Posted in Notícias No Comments »

Steve Vai confirmou o lançamento de um novo álbum, “Vai/Gash”, para 27 de janeiro via Favored Nations/Mascot Label Group – exceto a versão em LP, que sai dia 24 de fevereiro. O trabalho foi gravado originalmente em 1991, contando com a participação de Johnny “Gash” Sombrotto nos vocais.

Sobre a proposta do trabalho, o guitarrista explica em material promocional: “Por volta de 1990, fui tomado pelo desejo de arrancar o que eu achava que seria um tipo de disco de rock direto, que continha o tipo de música que eu gostaria de ouvir quando era aquele adolescente enraizado na cultura motociclista”.

O primeiro single, “In The Wind”, pode ser conferido no player abaixo. Vai explica a proposta da canção: “’In The Wind’ foi a primeira faixa que foi gravada para este disco. Ele captura o espírito da liberdade de estrada aberta que sentimos ao pilotar nossa Harley em ralis de bicicleta e viagens interestaduais. A faixa tem a alegria de ter esse tipo de poder sobre você enquanto beija o vento”.

O ponto mais importante do resgate da obra está na história do cantor. Steve conta: “John nasceu no Queens, em Nova York. Quando jovem, era um ávido entusiasta de motocicletas. Em 1977, aos 21 anos, sofreu um grave acidente que fez com que seu corpo pegasse fogo ao mergulhar 30 pés em uma cerca de arame farpado. Os médicos disseram à sua família que ele tinha queimaduras de terceiro grau em mais de 60% de seu corpo e que, se sobrevivesse, havia uma forte possibilidade de que perdesse o braço direito e a perna esquerda. Enquanto estava na Unidade de Queimaduras, sofreu dores excruciantes, especialmente quando dado o intenso ciclo diário de banhos quentes para suas feridas. Ele seguiu em frente e, depois de um mês, finalmente recebeu alta do hospital. Por sorte, nenhum membro foi amputado. Ficou, no entanto, com uma orelha esquerda parcial e camadas de enxertos de pele no pescoço, braços, pernas e peito inteiro. As histórias que contou sobre sua recuperação e a dor excruciante envolvida foram esmagadoramente dolorosas. Mas ele sobreviveu e, eventualmente, prosperou novamente. Foi para Los Angeles em 1982 e voltou direto para sua motocicleta”.

Os dois se conheceram através de um amigo em comum, Mark Cimino. A figura despertou a atenção de Vai desde o primeiro contato: “Observava as pessoas interagindo com ele em nossas inúmeras viagens de moto e outras aventuras. À primeira vista, muitos poderiam ser levadas por sua careca, cicatrizes no pescoço e orelha queimada. Olhando como estava e pilotando uma Harley, era fácil supor que talvez fosse um motociclista durão e ameaçador com uma atitude nefasta. Mas depois de se envolver com ele por um minuto, seu charme e carisma magnético os faziam rir e desfrutar completamente sua presença edificante. Ele cativava com sua inteligência, calor e brilho. John se deu bem instantaneamente com as pessoas mais improváveis de todas as idades, cores, tamanhos, convicções políticas ou sexuais. Ele não era superficial e nunca julgava as pessoas. Isso permitia que sua personalidade envolvente e charme inebriante atraíssem você. Sob todas aquelas cicatrizes havia um coração corajoso e destemido que pode ser visto em seus olhos azuis suaves e desarmantes”.

Foi assim que a amizade logo se transformou em uma parceria musical: “Algo em mim queria levá-lo ao estúdio e ver como ele cantaria essas músicas tipo motociclista que eu tinha em demos, mas nada poderia ter me preparado para a voz que saiu de sua boca. Eu tive que pensar, claro que ele soa assim porque é ele, confiante, autêntico, destemido, mas com uma intenção alegre. Esta era a voz que eu queria ouvir lamentando sobre essas faixas de rock. Fiquei atordoado. Naquela época, eu também estava começando a trabalhar em ‘Sex and Religion’ e esperava gravar mais do que as 8 músicas que eu havia preparado com John para um projeto alternativo. Mas isso se provou impossível. Em 7 de setembro de 1998, dois dias depois que meu pai faleceu, o telefone tocou e era a amada namorada de John, Nancy. Sua voz estava trêmula, e de alguma forma eu sabia o que ela ia me dizer. ‘John sofreu um acidente e morreu’”.

Agora, mais de 30 anos depois dos registros, as canções finalmente chegarão ao público. Steve Vai vê a situação como uma missão cumprida: “John com certeza seria o maior vocalista de rock que você gostaria de conhecer. Todos os elementos estavam no lugar, mas ele se foi. Desanimado, coloquei o projeto inteiro na gaveta e o ouvia pelo menos uma vez por ano nos últimos 30 anos, especialmente no aniversário de sua morte. Então, recentemente, algo me obrigou a querer lançá-lo agora. Eu gostaria que você tivesse a chance de conhecer John. Acredito que você o teria amado assim como todos nós o amávamos. Por enquanto, ele está ‘In the Wind’”.

Share |

Dan McCafferty: ex-vocalista do Nazareth, morre aos 76 anos

novembro 8th, 2022 admin Posted in Notícias No Comments »

Morreu na manhã desta terça-feira (8), aos 76 anos, o vocalista Dan McCafferty. Ele foi integrante do Nazareth desde a fundação da banda até 2013, quando se afastou por problemas de saúde. A causa do falecimento não foi informada.

A informação foi confirmada pela própria banda nas redes sociais. O texto, assinado pelo baixista Pete Agnew, diz: “Dan morreu às 12h40 (horário local) de hoje. É o anúncio mais triste que já tive que fazer. Maryann e sua família perderam um incrivelmente amável marido e pai, eu perdi meu melhor amigo e o mundo perdeu um dos maiores cantores que já viveram. Estou muito triste para dizer algo mais no momento”.

Nascido em Dunfermline, na Escócia, McCafferty esteve no Nazareth durante a maior parte da existência da banda. Influenciado por artistas como Little Richard e Elvis Presley, ele fundou em 1968 o grupo, um dos maiores importantes e influentes do hard rock, ao lado de Agnew, do guitarrista Manny Charlton e do baterista Darrell Sweet. Eles tocavam juntos em um grupo semiprofissional chamado The Shadettes.

O trabalho mais famoso do Nazareth é “Hair of the Dog”, álbum lançado em 1975. Vendeu mais de um milhão de cópias nos Estados Unidos, no embalo de hits como “Love Hurts” (original do The Everly Brothers) e a faixa-título.

Apesar disso, a discografia do grupo é extensa e conta com 25 trabalhos de estúdio lançados até o momento – 23 deles com Dan, sendo “Rock ‘n’ Roll Telephone” (2014) o último. Além do já mencionado “Hair of the Dog”, há de se destacar álbuns como “Razamanaz” (1973), “Loud ‘n’ Proud” (1973), “Rampant” (1974), “Close Enough for Rock ‘n’ Roll” (1976) e “Play’n the Game” (1977).

Todos os trabalhos divulgados pelo Nazareth entre 1973 e 1981 receberam certificação de ouro ou platina no Canadá, por terem ultrapassado 50 mil ou 100 mil cópias vendidas, respectivamente. Por lá, a coletânea “Greatest Hits” (1975) ainda conquistou platina dupla pelas 200 mil unidades comercializadas. No Reino Unido, embora nunca tenham obtido tais certificações, emplacaram três álbuns no top 15 das paradas: “Razamanaz” (1973), “Loud ‘n’ Proud” (1973) e “Rampant” (1974).

Em 2013, McCafferty aposentou-se da função de vocalista em função de problemas de saúde. Ele havia sido diagnosticado com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), condição também chamada de enfisema ou bronquite crônica, que afetava sua performance diante do microfone. Sua vaga foi ocupada temporariamente por Linton Osborne até Carl Sentance assumir o posto, em definitivo, no ano de 2015.

Em entrevista a Martin Popoff, no ano de 2014, o artista disse que conseguia lidar com o problema de saúde em seus anos finais com o grupo, mas sentiu dificuldades ao gravar o álbum “Rock ‘n’ Roll Telephone”: “Eu fui e fiz o que foi necessário, depois fui para os Estados Unidos e acabei parando no hospital em função de uma úlcera, que é algo completamente diferente. Pareceu que eu estava desmoronando. Aí, pelo fato de eu ter perdido muito sangue, obviamente não me encontrava muito bem. Consegui fazer quatro shows no Canadá e aí tive que parar. Não me encontrava em condições de cantar. Depois disso fomos para casa terminar o álbum. Demos um tempo e fomos tocar na Suíça, e eu simplesmente não podia respirar após a terceira música. Foi quando decidi que era hora de parar. Com tristeza, devo dizer”.

Mesmo retirado da área, lançou um álbum solo, “Last Testament”, em 2019. Este foi o terceiro disco de Dan sem banda, sucedendo “Dan McCafferty” (1975) e “Into the Ring” (1987).

Share |

Kiss: segundo Doc McGhee a banda quer voltar à América do Sul e tocar em Manaus

outubro 25th, 2022 admin Posted in Notícias No Comments »

Ainda deve levar mais algum tempo até que o Kiss se aposente em definitivo. Atualmente com sua turnê de despedida “End of the Road”, a banda planeja celebrar o meio século de sua fundação em 2023 com uma série de 50 shows pelo mundo. América do Sul, mais especificamente o Brasil, estão nos planos.

A informação foi trazida pelo empresário do grupo, Doc McGhee, em conversa com fãs brasileiros no cruzeiro Kiss Kruise, que acontece até o próximo sábado (29). O bate-papo foi filmado pelo perfil Kiss Kruise Photos, de Well Ramos. McGhee chegou a citar uma cidade em especial que está nos planos de turnê: Manaus, capital do Amazonas que nunca recebeu um show da banda.

“Estamos olhando isso (turnê pela América do Sul) agora. Os fãs estão loucos com isso, eu sei. O Kiss completará 50 anos, então acho que faremos 50 shows para celebrar os 50 anos de Kiss ao redor do mundo. América do Sul, Europa, Estados Unidos, Canadá. Há lugares no Brasil que estamos olhando agora. Quero levar para Manaus. Nunca tocamos lá”.

A informação revelada por Doc McGhee volta a indicar que Manaus parece estar se tornando um polo de atrações internacionais no Brasil.

No último mês de setembro, a banda recebeu um show do Guns N’ Roses, realizada na Arena da Amazônia. Ainda no fim de agosto, o prefeito da cidade, David Almeida declarou via redes sociais que Bon Jovi e Aerosmith se apresentarão na capital amazonense em 2024. As datas não foram anunciadas até o momento.

Share |

Queen: anuncia relançamento de “The Miracle” em box set luxuoso

outubro 16th, 2022 admin Posted in Notícias No Comments »

O Queen confirmou para 18 de novembro o relançamento do álbum “The Miracle”. Além do disco original, a collector’s edition contará com um total de 8 discos cobrindo todo o ano e meio das sessões. Seis faixas são inéditas, incluindo o single “Face it Alone”, disponibilizado nos últimos dias.

Conforme material de divulgação este é o conteúdo completo da caixa:

LP: The Miracle

O álbum como nunca ouvido antes. Originário de uma fita master de março de 1989, o Long Lost Cut restabelece “Too Much Love Will Kill You” como foi originalmente planejado, na posição exata onde alocada em 1989, entre “I Want It All” e “The Invisible Man”. A música ficou de fora por problemas de direitos autorais, aparecendo no álbum solo de Brian May “Back to the Light”, além do trabalho póstumo “Made in Heaven”. A capa do disco atualizada apresenta uma versão gatefold pela primeira vez em sua história.

CD 1: The Miracle

O álbum como lançado originalmente em CD, remasterizado por Bob Ludwig em 2011 a partir das mixagens originais de primeira geração.

CD 2: The Miracle Sessions

Uma janela para o processo criativo da banda, com takes originais, demos e versões iniciais, incluindo o novo single “Face it Alone”, entre seis faixas inéditas, duas das quais com vocais de Brian May.

São elas: “When Love Breaks Up”, “You Know You Belong to Me”, “I Guess We’re Falling Out”, “Dog With a Bone”, “Water” e “Face it Alone”.

Igualmente reveladoras – e certamente valorizadas pelos fãs hardcore do Queen – são as conversas entre os quatro membros no Townhouse, Olympic e Mountain Studios, dando aos ouvintes um panorama único de sua amizade e dinâmica de trabalho.

CD 3: Alternative Miracle

Recria a proposta de continuação do álbum, “Alternative Miracle”. Originalmente considerada na época, esta compilação de faixas extras, B-sides, versões estendidas e versões single foi cancelada devido a um cronograma de lançamento pesado.

CD 4: Miracu-mentals

Instrumentais e backing tracks das dez músicas que compõem “The Miracle”.

CD 5: The Miracle Radio Interviews

A banda discute, em suas próprias palavras, o processo criativo por trás do álbum. A primeira entrevista, Queen for an Hour, foi transmitida pela BBC Radio 1 em 29 de maio de 1989. O apresentador Mike Read conduz o que seria a entrevista final do grupo, onde Freddie sugere pela primeira vez que seus dias de turnê acabaram.

A segunda entrevista apresenta Roger Taylor e Brian May conversando com o apresentador Bob Coburn e atendendo telefonemas ao vivo no popular programa de rádio americano Rockline.

Blu-ray/DVD: The Miracle Videos

The Miracle Videos inclui os cinco vídeos musicais promocionais e conteúdo bônus nos formatos Blu-ray e DVD.

  • “I Want It All”
  • “Breakthru”
  • “The Invisible Man”
  • “Scandal”
  • “The Miracle”

The Miracle Interviews

Entrevistas com Roger, Brian e John no set de filmagem de ‘Breakthru’ em junho de 1989, por Gavin Taylor. John Deacon não deu mais entrevistas desde aquele dia.

Making of the Miracle Vídeos

Contém cenas dos bastidores dos vídeos ‘I Want It All’, ‘Scandal’, ‘The Miracle’ e ‘Breakthru’.

The Making of the Miracle cover

O designer gráfico Richard Gray fala e demonstra como fez a inovadora capa do álbum.

Lançado em 22 de maio de 1989, “The Miracle” foi o primeiro trabalho de inéditas do Queen após Freddie Mercury ter revelado aos seus colegas que era soropositivo. Até três semanas antes do lançamento, o disco se chamaria “The Invisible Men”.

O álbum chegou ao número 1 nas paradas do Reino Unido, Áustria, Alemanha, Holanda e Suíça. Ganhou 6 premiações de platina e 5 de ouro, tendo vendido mais de 5 milhões de cópias em todo o mundo.

Share |

Rival Sons: anuncia o álbum “Darkfighter”

outubro 15th, 2022 admin Posted in Notícias No Comments »

O Rival Sons anunciou para 10 de março o lançamento de seu próximo álbum de estúdio. Intitulado “Darkfighter”, o trabalho chega através da Low Country Sound, gravadora do produtor de longa data do grupo, Dave Cobb. A distribuição é da Atlantic Records.

O primeiro single, “Nobody Wants to Die”, foi disponibilizado nesta sexta-feira (14) nas plataformas digitais. Acompanha ainda um videoclipe, dirigido por Éli Sokhn e claramente influenciado por filmes de Quentin Tarantino, especialmente “Kill Bill”.

Sobre “Nobody Wants to Die”, o vocalista Jay Buchanan afirma: “Você vive sua vida sabendo que a espada de Dâmocles está pendurada em sua cabeça por um fio. Você está consciente da impermanência de sua existência, mas não pode pensar nisso o tempo todo – ou isso vai estragar sua vida. Eu trabalhava em um necrotério como consultor de serviço por alguns anos, dirigindo e abrindo os carros funerários. Ia a três funerais por dia. Algumas vezes, tinha mais gente do que a capacidade permitia. Outras vezes, seria apenas eu, um padre e um buraco no chão. Não importa quem você é; o grande equalizador está chegando. Pensei nisso porque a música soava como perseguição”.

Com relação a “Darkfighter”, o cantor declarou que o trabalho foi inspirado não só pela pandemia (como não poderia deixar de ser), mas também pelo momento de polarização vivenciado nos Estados Unidos e em outras partes do mundo: “‘Darkfighter’ representa a mitose cultural do isolamento, a pandemia e o tecido nacional dos Estados Unidos ficando cada vez mais solto. Quando eu digo ‘mitose cultural’, é pelas linhas sendo traçadas constantemente. Estamos tão divididos que você não pode ultrapassar as linhas sem ofender alguém. Certamente inspirou minha escrita. Reconhecemos a responsabilidade de colocar uma boa palavra nos ouvidos das pessoas para que também haja uma boa palavra em suas línguas”.

Buchanan destacou ainda que sentiu muita falta do palco no período pandêmico: “Sentimos falta da alegria do show ao vivo e daquela interação mágica. Quando foi tirado de nós, isso me fez querer cantar sobre tópicos que eram importantes. Há temas fortes neste registro com relação a perda de identidade, preservação da alegria e contemplar a luz e a forma novamente”.

Por sua vez, o guitarrista Scott Hilday declara que álbuns são “uma forma saudável de escapismo”. É dessa forma que ele define “Darkfighter”: “Espero que este disco te leve o mais longe possível. Nossa intenção era criar um corpo de trabalho cinematográfico. Assim que as portas se fecham atrás de você, você está envolvido no passeio. Nos afastamos de nossas influências e nos aproximamos do que somos. ‘Darkfighter’ soa como os Rival Sons”.

O novo álbum sucede “Feral Roots”, álbum lançado em janeiro de 2019. O disco anterior do grupo, sexto de sua carreira, foi indicado ao Grammy nas categorias de Melhor Álbum de Rock e Melhor Performance de Rock – com a música “Too Bad” -, mas não venceu em nenhuma das ocasiões.

Track List:
1. Mirrors
2. Nobody Wants to Die
3. Bird in the Hand
4. Bright Light
5. Rapture
6. Guillotine
7. Horses Breath
8. Darkside

Share |

Iron Maiden: anuncia turnê focada em “Senjutsu” e “Somewhere in Time”

outubro 9th, 2022 admin Posted in Notícias No Comments »

O Iron Maiden está encerrando a segunda parte da turnê “Legacy of the Beast”, mas já anunciou qual será seu próximo espetáculo. A partir de junho de 2023, a banda dará início à “The Future Past Tour”, que combinará elementos do álbum mais recente, “Senjutsu” (2021) e de “Somewhere in Time” (1986), além de outros clássicos. Há datas confirmadas apenas na Europa até o momento.

O título da turnê é uma referência direta a uma das faixas do disco mais novo, “Days of Future Past”. Apesar da veia prog bem proeminente, muitos fãs notaram elementos de “Somewhere in Time” em “Senjutsu”, o que justifica um show abordando os dois álbuns. Fora isso, a banda sempre soube brincar bem com elementos de passado e futuro, como fica claro no teaser da nova tour.

Sobre a “The Future Past Tour”, o baixista Steve Harris comentou o desejo de tocar sons mais épicos do álbum mais recente, que recebeu apenas três músicas (justamente as três primeiras da tracklist) na nova etapa da “Legacy of the Beast”. Ele também comentou o fato de que “Somewhere in Time” não foi apropriadamente lembrado nas turnês históricas do Maiden em seus anos recentes.

“Como não fazia muito sentido repetir isso para uma turnê do álbum ‘Senjutsu’, pensamos sobre outras opiniões e decidimos revisitar ‘Somewhere in Time’ porque essa turnê não apareceu nas várias tours de retrospectiva histórica que fizemos ao longo dos anos. Elas eram baseadas nos nossos vídeos de shows dos anos 80 e infelizmente nós não filmamos essa turnê (culpa do empresário!!!). Recebemos muitos pedidos dos fãs ao longo dos anos por músicas dele e agora vamos tocá-las, além, é claro, de algumas outras que sabemos que vocês vão gostar!” disse o baixista.

A declaração de Harris sobre a turnê que revisita o álbum de 1986 ainda abre espaço para uma especulação que rondou o Maiden desde que eles fizeram a turnê “Somewhere Back in Time”, em 2008, que recriava a identidade visual de “Powerslave” (1984): será que finalmente veremos “Alexander the Great” ao vivo? Resta aguardar.

Enquanto o mistério permanece, as datas confirmadas da “The Future Past Tour” são as seguintes:

13 de junho: Krakow, Tauron Arena, Polônia
19 de junho: Zurich Hallenstadion, Suíça
24 de junho: Dublin 3 Arena, Irlanda
26 de junho: Glasgow OVO Hydro, Escócia
28 de junho: Leeds, First Direct Arena, Inglaterra
30 de junho: Manchester AO Arena, Inglaterra
03 de julho: Nottingham Motorpoint Arena, Inglaterra
04 de julho: Birmingham Utilita Arena, Inglaterra
07 de julho: London O2 Arena, Inglaterra
11 de julho: Amsterdam Ziggo Dome, Países Baixos
13 de julho: Antwerp Sportpaleis, Bélgica
15 de julho: Milan, The Return of The Gods Festival, Itália

Share |

Greta Van Fleet: soará mais cru em próximo álbum

outubro 1st, 2022 admin Posted in Notícias No Comments »

O baixista do Greta Van Fleet, Sam Kiszka, revelou ao podcast do site Consequence que a banda está imersa no processo criativo para o seu terceiro álbum de estúdio, o sucessor de “The Battle at Garden’s Gate” ainda não possui data de lançamento definida. Porém, algumas características já se revelam.

Segundo Sam Kiszka: “Agora é hora de ser criativo e descobrir algo diferente. Sempre quisemos fazer um disco como Garden’s Gate. Ao mesmo tempo, também sabíamos qual seria o próximo passo, que é o que preparamos neste momento. Estamos bem avançados. Não posso dizer muito sobre isso, mas é o conceito de volta às raízes, meio que trazendo nossas cabeças de volta para aquele tempo de garagem. Não vamos gastar tanto tempo buscando o álbum perfeito. Queremos capturar o momento, embelezando-o, tornando-o emocionante e cru”.

Ao mesmo tempo, o baixista espera conseguir provocar os ouvintes com as novas músicas: “Nós ouvimos muita coisa não por escolha. Certas rádios tocam ‘música popular’ sem substância. Eles estão dizendo exatamente o que pensar e por quê. Não deixam nada para o mistério. E quase um insulto à inteligência das pessoas. E isso não lhe dá a capacidade de fazer seu cérebro disparar criativamente”.

Share |

Iron Maiden: celebra 40 anos de “The Number Of The Beast” com novo LP triplo

outubro 1st, 2022 admin Posted in Notícias No Comments »

O Iron Maiden confirmou o relançamento do álbum “The Number of the Beast” em vinil triplo, celebrando 40 anos do original. A reedição promove uma mudança na tracklist, com “Total Eclipse” no lugar de “Gangland”, corrigindo o que a própria banda considerou um erro na prensagem inicial.

Sobre a decisão, o baixista e líder do grupo Steve Harris comenta em material promocional: “Neste lançamento em vinil nós temos a chance de colocar ‘Total Eclipse’ em seu devido lugar no álbum pela primeira vez. Quando estávamos finalizando as gravações tivemos que lançar o single ‘Run to the Hills’ antes da turnê. Então tivemos que escolher um lado B e estava entre ‘Gangland’ e ‘Total Eclipse’. Acabamos fazendo a opção errada. Eu acho que ‘Total Eclipse’ é uma música mais forte e o álbum teria sido mais forte se estivesse lá”.

O segundo e terceiro discos do pacote trazem o ao vivo “Beast Over Hammersmith”, com um show gravado em março de 1982, poucos dias após o lançamento do álbum. É a primeira vez que a apresentação está disponível em LP. A versão em CD se fez presente no box “Eddie’s Archive”, de 2002.

Share |

Ozzy Osbourne: tem mais material inédito com Taylor Hawkins

setembro 18th, 2022 admin Posted in Notícias No Comments »

Andrew Watt, produtor do mais recente álbum de Ozzy Osbourne, “Patient Number 9”, revelou que ainda existem faixas inéditas registradas com Taylor Hawkins, que deverão ser lançadas oportunamente. A informação é do Ultimate Classic Rock.

Ozzy não conhecia o baterista do Foo Fighters antes das sessões de gravação. “Para ser perfeitamente honesto com você, eu nunca tinha ouvido falar dele antes dele vir tocar no meu álbum. Mas ele deve ser bom pois toca no Foo Fighters de Dave Grohl”, revelou o cantor. E Taylor está em três músicas do novo álbum, pelas quais recebeu créditos de co-autor.

E ainda existem mais faixas ainda inéditas. Watt havia recrutado dois bateristas: Chad Smith, do Red Hot Chili Peppers, e Taylor Hawkins, do Foo Fighters, que morreu inesperadamente em março deste ano. “Há um monte de outras coisas gravadas de Ozzy com Taylor, que serão utilizadas futuramente para alguma outra coisa”, disse o produtor.

Share |

Ozzy Osbourne: volta à Inglaterra vai virar reality show

setembro 4th, 2022 admin Posted in Notícias No Comments »

Por mais que alguns fãs não concordem com a superexposição causada pelo reality-show “The Osbournes”, o fato é que o programa televisivo angariou toda uma nova base de fãs a Ozzy, além de transformar Sharon, Kelly e Jack em celebridades instantâneas – Aimee, primeira filha do casal, se recusou a participar das filmagens visando manter sua privacidade.

Agora, as câmeras voltarão a acompanhar os patriarcas no retorno à Inglaterra. “Home to Roost” é uma produção da BBC que será dividida em 10 episódios de meia-hora. Assim como no grande sucesso da família, Jack e Kelly aparecerão, ajudando seus genitores no período de transição.

O press release promete: “A série será um retrato genuíno, mostrando Sharon e Ozzy enquanto enfrentam a doença e os desafios de envelhecer, mas com as excentricidades habituais dos Osbournes, além de seu humor, calor e amor”.

Atualmente com 73 anos, Ozzy Osbourne é portador da doença de Parkinson. A casa de Buckinghamshire está sendo adaptada para proporcionar maior comodidade. Uma equipe de enfermeiros irá se revezar 24 horas por dia, morando em um anexo.

“Patient Number 9”, novo disco do cantor, sai dia 9 de setembro. Foram confirmadas participações de nomes como Jeff Beck, Tony Iommi, Eric Clapton, Zakk Wylde, Mike McCready (Pearl Jam), Josh Homme (Queens of the Stone Age), Robert Trujillo (Metallica) e o falecido Taylor Hawkins (Foo Fighters). Assim como no anterior, “Ordinary Man”, a banda fixa tem o guitarrista/produtor Andrew Watt, o baixista Duff McKagan (Guns N’ Roses) e o baterista Chad Smith (Red Hot Chili Peppers).

Share |